quarta-feira, fevereiro 10, 2010

Eu, que sou nabo.

É muito gratificante fazer-se parte de maiorias, não é? Imagino que sim; felizmente não sei. São muitos, são mais que os outros em número, são em maior quantidade, são um grupo muito grande. Ainda bem que são felizes assim. Nada contra.

Eu, que sou um nabo, tenho para mim que as maiorias nunca tem razão, apenas são maiorias porque são o grupo mais facilmente manipulável por alguém e, como tal, é algo que não abona nada em favor de cada um desses elementos que em conjunto formam a tal maioria.

Mas isto sou eu que, como disse anteriormente, sou apenas um nabo que não sabe integrar-se numa tal de maioria, nunca votou num partido que tenha ganho, nunca foi adepto dum clube com o maior número de sócios, não vai a fátima nem ouve fado.

Eu, que sou nabo, pensava que a masturbação era um acto individual.

Pobres dos não sei quê, porque será deles o reino do sinhôr.

7 comentários:

Piotr Kropotkine disse...

tás açim tão fodido com o Betttttencourttt? ou é por causa do Pongole aquele génio?

francis disse...

bola ? o que é isso ?

Eric Blair disse...

é por causa do Sá Pinto num ter partido as pernas a metade do pelantéle.

'mega' disse...

....qual sinhôr?!.....

宅女 disse...

let us be happey everyday!!........................................

Vitor Manuel disse...

!!!!!!!!!!!!???!!!!!!!!!!!!!!!!!!

juntam-se as minorias e faz-se uma "masturbação" colectiva

Francis disse...

ainda ?

és nabo mas não és murteira, pá.