quarta-feira, dezembro 07, 2005

Todos os trabalhadores são iguais, mas os profs, esses calões, são menos iguais que os outros.

A maioria do partido auto-denominado socialista chumbou, na Assembleia da República, um projecto de lei para atribuição de subsídio de desemprego aos docentes das instituições públicas de ensino superior.

Importa talvez lembrar que a qualquer trabalhador basta-lhe 6 meses de labuta para poder auferir de subsídio de desemprego, enquanto que um docente do ensino superior pode trabalhar e descontar durante 40 anos que, se não estiver no quadro, não tem direito a népia.

Ah, é verdade, o ps foi acompanhado na votação pelos outros dois partidos da sua área de intervenção política, a saber: pêéssedê e pêpê.

14 comentários:

Mendes Ferreira disse...

e sabes porquê querido Eric? ....porque não têm anjos vermelhos...:) bjo.

Dinada disse...

Se não fosses comuna dava-te um beijo (respeitoso, Sr. Prof.).

Como és, fico só indignada, ah pois fico. Arreliada, até.

Eric Blair disse...

Anjo vermelho? Comuna?
Huum, a chuva não bate assim.

maresia disse...

um professor, trálálá, dois trabalhadores trálálá, três políticas trálálá...

Pinto Ribeiro disse...

Bom dia Kamarada.

Eremita Baptista disse...

é o país que temos.

sem cantigas disse...

o orwell tá zangado, o orwell é professor, o orwell é um homem do norte carago! :-)

Eric Blair disse...

Pode estar-se permanentemente zangado e simultaneamente bem-disposto. De bem com a vida. Não vejo nisso qualquer incompatibilidade. Bom, de qualquer das formas prefiro chamar-lhe: inconformismo.

Mendes Ferreira disse...

ih que grande mentira.....:) percebe sim senhor prof. mas tá bem....o silêncio é de ouro...será....tenho dúvidas....beijo.

Pinto Ribeiro disse...

ó Blair, se tiveres tempo e humor explika lá purke kortaste relações ku povo, Kamarada.

Mac Adriano disse...

Parabéns! Finalmente alguém esclarecido como eu, que sabe que este partido socialista de socialista não tem nada, e que está consciente da propaganda anti-professores que tem sido feita por este (des)governo e que a maioria dos papalvos tem papado. Continua, que eu também.

KIM PRISU disse...

E a vida dos professores, e eu que vivo com uma ando sempre a mudar-me e depois nuca posso ter um atelier certo…. Mas é a vida, a luta continua…

Maria Manuel disse...

Costumo ser bem educada, mas neste caso... posso? CABRÕES!

Papa Ratzi disse...

Cada reforma do Ministério da Educação é feita por fulanos(as) que se calhar nunca deram aulas. O conhecimento da realidade que eles(as) têm é o conhecimento de quem vê as sombras e não o que causa essa sombra. Ser professor(a) no nosso país significa a um desgaste imenso devido aos maus hábitos educacionais trazidos de casa, devido muitas vezes à incuria ou impossibilidade dos pais acompanharem os seus filhos(as). Não podemos igualmente esquecer que muitos professores(as) são obrigados(as) a trabalhar longe de casa e que muitas vezes não têm ao seu dispor meios para trabalhar em condições dignas, para si e para os alunos(as).