sexta-feira, março 24, 2006

Preocupações à parte

No primeiro ano de liberalização do comércio mundial, a Indústria Têxtil e Vestuário portuguesa viu desaparecer perto de 15 mil postos de trabalho – 40 desempregados por dia.

Paulo Nunes de Almeida, o presidente da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal, diz: “Não estar preocupado. A evolução do desemprego está dentro do previsto”.

Pois, nota-se a despreocupação por parte de quem acaba de despachar o velhinho Rover por troca por um reluzente Mercedes. Já por alturas do Natal ele tinha tido o romântico gesto de trocar o velhinho Peugeot da esposa igualmente por um cintilante Mercedes.

Não me entendam mal; ainda bem que a vida corre bem a este simpático casal.

11 comentários:

Anónimo disse...

pois .
bom dia éric.
hoje monossilábica.
beijo.


(isa)

spartakus disse...

ó hombre de deus: atão tu num viste paris a arder, porra. és um ingrato. e tem de se dar um toque chic à tasca caramba. o resto é a primavera. sem mercedes, claro. kisto do desemprego num é para todos. um abraço Kamarada.

spartakus disse...

inté pus a KOISA e flor mais linda num há...lolol...( e estou em greve... ).

HarryHaller disse...

Meu amigo,o desemprego dá empregos muito bem pagos a muita gentinha.

Bom fim de semana

Lobo das Estepes

Galo Rouco disse...

Caro Eric, estas edições Piratas, são uma paragem obrigatória para se saberem as verdades deste quintal!
Grande Abraço, Bom fim de semana

Eric Blair disse...

Obrigado amigo(s).
Bom fim de semana para todos.

Cristina disse...

lol, lol.

já não pode um gajo gostar de luxos pá...de certeza que o home merece...;)

ah!!! quando é que pões uma felô aqui no tasco??? :)))))))))))
porra, pá! é primavera....

ps- mas já podes ir lá envenenar um bocadolas lol

seu_misha disse...

Andas atento as movimentações automobilisticas dentro da tua garagem?

Bart Simpson disse...

Não te entendo nada mal.....

Anónimo disse...

É isso aí, Seu Misha.

Pipinha disse...

Ele não tem de se preocupar... Para ele e para muitos outros senhores as pessoas são números, as famílias a sofrer são estatísticas...