domingo, fevereiro 26, 2006

Ai os taninos, os taninos

Estou para aqui deitado debaixo de uma laranjeira, com os olhos semi-cerrados, a ouvir a passarada e a tentar não pensar no quilitos que daqui vou levar a mais na próxima terça-feira.

Contra todas as previsões, que aliás pareciam confirmadas pelo temporal que se fez sentir durante toda a noite, a manhã apresentou-se fria mas radiosa, sem uma única nuvem no céu.

Após um frugal pequeno-almoço – constituído por um sumo espremido de algumas companheiras destas que agora ameaçam cair na minha cabeça, uma chávena de café com leite e uma torrada – peguei no saco que tem lugar cativo na mala do meu carro, equipei-me e parti pela veiga a caminho do regato da Silvareira.

É indescritível o prazer de correr por entre campos e vinhedos, com o ruído ocasional do vento e da passarada. Vi melros, piscos, pardais, uma pega e até uma ave de rapina que não identifiquei. Ouvi um chasco mas não o vi. Vi pinhas roías por esquilos mas não os vi.

Descansei junto a um carvalho, onde fiz alongamentos e cumprimentei o sol durante longos momentos.

Parti calmamente e, junto a um barranco que tinha sido fortemente escavado pela escorrência das águas, perscrutei até encontrar um pouco de volframite.

Quando regressei havia já burburinho por toda a casa. A melhor cozinheira do mundo preparava o melhor cozido à portuguesa que alguma vez provei. O mesmo cozido que, juntamente com a Tinta Roriz, a Touriga Franca, a Tinta Barroca e a Touriga Nacional atiraram comigo para aqui, onde utilizo as últimas forças para sarrabiscar estas linhas antes de fechar os olhos.

É este o meu Alto Minho. Aquele que eu tanto amo.

15 comentários:

Charlito disse...

Como eu te entendo. Sinto-o como se se aí estivesse. Ainda assim, devo dizer-te que um bom verde tinto daqueles que pinta a malga (e não só) também tinha sido boa aposta.

Mendes Ferreira disse...

eu sei eu sei que a inveja é coisa feia....mas deu-me. uma. terrível.


beijo.

Bart Simpson disse...

e com toda essa pinga e manjar, ainda foste capaz de escrever? bravo!!!

Raimundo disse...

Bravo... vir aqui, hoje, só serviu para aumentar a depressão e sentir no peito aquele peso da saudade de quem já não vai à terra à uns bons dois anos...

Se não estivesse em "tua casa" já estavas mas era a comer um insulto à lá Raimundo!...

Raimundo disse...

Só porque convivo pessimamente com mal-entendidos, quando disse "tua casa" estava, como é óbvio, a referir-me ao blog. Mas mantenho a cena do insulto.

spartakus disse...

...come e dorme Kamarada. e bebe, que eu não posso.

Alma disse...

Desculpa...oh que inveja:)

Cristina disse...

epá, isso até e pode fazer mal...........

anyway, aproveita, boas mini férias :)
1 beijo

Mendes Ferreira disse...

ai ai ai .....os taninos....


bom dia bom dia beijo.

O_Chaga disse...

lol!
corre corre!!!!
ehehe!
bom dia

Mac Adriano disse...

Pá, na Tinta e na Touriga ainda te acompanhava. Cozido à portuguesa é que podes comê-lo sozinho. E correr também, que eu tenho os pés cada vez mais presos ao chão.

Mendes Ferreira disse...

.,...como sempre deixo à t imaginação.....:)


bom dia. Aí. beijo.

seu_misha disse...

És danado interrompeste a refeição aos esquilos ... ainda tens a mania que és Carlos Lopes, porra pá fica pelo Jordão ás quintas.
Quanto ás Tintas e ás Tourigas nada como um Douro para avivar o Alto Minho, só o charlito e o molas a que gostam de pinta a malga ... mas queima-nos por dentro...
Curiosidade é que no mesmo dia, algures nas serras Chaves, cobertas de branco, comia um cozido tão nobre quanto o teu feito em pote na lareira. Perfeito para quem se preparava para "dar o salto" para as montanhas da Sanabria...

franka disse...

aqui também fazemos uns cozidos brasileiros, eric.
e nossa, de pensar me dá água na boca, apesar de não combinar muito com o calor que está por aqui nessa época...!

clotilde disse...

Essas castas são tipicamente usadas nos bons vinhos do Douro, vinho que muito aprecio mas, que me tem deixado tanto a desejar pela falta de corpo.
Belo esse teu passeio, também, queria, é tão bom privar com a natureza.
Agora fazes outro passeio desse, comes umas folhinhas de alface, bebes um copo de agua e, voilá, perdes esses quilinhos todos!

Beijo